Publications

Published papers

The Political Economy of Innovation Why is Brazil Stuck in the Technology Ladder?

The essay considers the role of big private businesses (BBs) within the Brazilian national system of innovation (NSI). Our question is as follows: How do the innovation practices and political behavior adopted by BBs shape the Brazilian NSI? It is our claim that although BBs play a prominent role in leading innovation nationally, they are not supportive of institution-intensive solutions for strengthening the NSI, and thereby contribute to the creation of a dynamic that we call the ‘low-innovation trap’. The obstacles to escaping this trap are manifold, but here we shall focus on 01. the lack of coordination between actors and instruments within government, 02. the high level of instability in the Science, Technology and Innovation (ST&I) budget, 03. the increasing obstacles faced by BBs wishing to innovate and 04. the lack of correspondence between government proposals and societal demands. Without a strong coalition pushing for it to be upgraded, it is likely that the NSI will remain unfit for purpose.

Chiarini, T., Cimini, Fernanda., Rapini, M. S., & Silva, L. A. (2020). The Political Economy of Innovation Why is Brazil Stuck in the Technology Ladder? ,. Bras. Political Sci. Rev., 14(2), e0001. https://doi.org/10.1590/1981-3821202000020001

Covid-19 Pandemic, Social Mitigation and Taxation: The Open Veins of Inequality in Latin America

The pandemic of Covid‐19 has exposed the veins of inequality in Latin America. With a socioeconomic disaster looming, social emergency policies seemed inevitable. Yet while governments argue over the continuity of such policies and whether the fiscal rules in place should be respected, no sustainable response has come out. This essay problematises whether the pandemic could represent a critical juncture to forge ahead with political narratives that highlight tax exemptions and privileges enjoyed by the rich. We analyse the mitigation measures adopted by Argentina, Brazil, Chile and Uruguay and their repercussions on the debate surrounding progressive tax reforms to fund social schemes.

CIMINI, Fernanda; JULIAO, N. ; SOUZA, A. ; CABRAL, N. . Covid-19 Pandemic, Social Mitigation and Taxation: The Open Veins of Inequality in Latin America. Bulletin of Latin American Research, v. 39, p. 56-61, 2020. https://doi.org/10.1111/blar.13213

El Financiamiento de la Integración Infraestructural Suramericana – las dificultades institucionales de constitución de un nuevo arreglo financiero regional

Este artículo analiza el arreglo de financiamiento de la Iniciativa para la Integración de la Infraestructura Regional Suramericana (IIRSA), buscando identificar cuáles fueron las organizaciones financieras más relevantes y los principales desafíos institucionales enfrentados para la captación de recursos en la región. Teniendo como objeto de análisis las agendas de proyectos prioritarios en el periodo entre 2005-2018, se argumenta que la idea de un arreglo de financiamiento innovador ha fracasado por cuenta de: la capacidad limitada de la inversión pública y la baja capacidad crediticia internacional de la mayoría de los Estados de la región; la permanencia de un ciclo vicioso en que proyectos con recursos ya asignados son los que atraen más recursos; la pequeña contribución de las instituciones multilaterales de desarrollo; la baja participación del sector privado; y la ausencia de liderazgo y de soluciones colectivas, intensificado por las crecientes divergencias políticas entre los gobiernos de la región. Muchas de estas dificultades son típicas de las economías periféricas, resultando en la continuidad de un bajo volumen (leverage) de inversiones regionales en infraestructura.

CASTRO, A. C. ; CIMINI, Fernanda. . El Financiamiento de la Integración Infraestructural Suramericana – las dificultades institucionales de constitución de un nuevo arreglo financiero regional. Revista Tempo do Mundo, v. 23, p. 123-147, 2020.

Relações Econômicas Internacionais na América Latina: um estudo sobre as percepções das elites parlamentares

Este artigo analisa as percepções dos parlamentares de 17 países da América Latina sobre relações econômicas e internacionais. A questão central é identificar os determinantes da formação das estruturas de preferências dos  parlamentares. O artigo procura identificar quais são os determinantes que influenciam as opções expressas pelo parlamentar, colocando em contraste suas opções por relações políticas e econômicas entre países da região versus suas opções por países de outras regiões e as grandes potências econômicas. A análise está dividida em duas partes. A primeira é comparativa, utilizando estatística descritiva e análise de redes. Com essa análise são comparadas as legislaturas/países no nível agregado. A segunda parte desce ao nível do comportamento individual do parlamentar, buscando estimar, com a aplicação de modelos de regressão linear (OLS), o peso de diferentes preditores para a conformação das suas estruturas de preferências. O artigo conclui que as preferências dos parlamentares são fortemente determinadas por variáveis de contexto (estruturais) e por um alto grau de pragmatismo econômico, mas as ideias políticas continuam tendo alguma relevância. Embora em menor monta, a ideologia e as preferências por economias reguladas pelo Estado também ajudam a entender por que alguns parlamentares defendem mais regionalismo político e econômico que outros.

SANTOS, M. ; CIMINI, Fernanda ; BOHIGUES, A. Relações Econômicas Internacionais na América Latina: um estudo sobre as percepções das elites parlamentares. Opinião Pública (UNICAMP), v. 26, p. 633-672, 2020.

Our intent is to reinterpret the concept of middle-income trap using the language of the complex system approach to refer to the unpredictability, non-linearity and the enor- mous range of possible behaviors of eco- nomic development in the long-term time series. By redefining the concept of trap in those terms, we propose to shed light on the institutional background of economic devel- opment. In order to advance our argument, we conduct a case study of Latin America, a region that has presented an unstable and non-linear economic trajectory across the 20th century. We argue that the combination between the colonial economic legacy and the political fragmentation amid the process of independence shaped the socio-economic structure and institutional capabilities for years to come, restricting the possibilities of overcoming underdevelopment.

CIMINI, Fernanda; RIBEIRO, L. C.; BRITTO, J. Complexity systems and middle-income trap: the long-term roots of Latin America underdevelopment. Nova Economia (UFMG). , v.30, p.1225 – 1256, 2020.

Economia Política da Reforma Trabalhista Brasileira

O artigo analisa o contexto e as estratégias políticas para aprovação da Reforma Trabalhista de 2017. A hipótese geral é que as estratégias para aprovação da reforma são fortemente condicionadas pelo contexto. Especificamente, são propostas três hipóteses secundárias: i) governos de esquerda participam como atores de veto no processo; ii) crises econômica e política favorecem flexibilização; e iii) a aprovação tem custo político mais elevado no contexto de pressão popular. No cenário brasileiro, a ascensão de pautas conservadoras e liberais facilitou a legitimação da reforma suavizando o impacto negativo da opinião pública, elemento impulsionado pelo cenário de crise política e pela narrativa de combate à corrupção, atrelada sobretudo ao Partido dos Trabalhadores (PT) e a pautas favoráveis ao trabalhismo

FIGUEIREDO, G. R.; CIMINI, Fernanda; ROMERO, J. P. Economia Política da Reforma Trabalhista Brasileira. TEORIA & PESQUISA. , v.29, p.74 – 95, 2020.

El Giro a la Izquierda en el Uruguay de los Años 2000

El artículo indaga en qué medida el giro a la izquierda en Uruguay, en los 2000, puede ser considerado una coyuntura crítica. Para la fundamentación empírica, se utilizó el método de process-tracing, identificando las condiciones permisivas, productivas y reproductivas relacionadas. Se concluyó que las políticas de bienestar social, realizadas por Frente Amplio, estarán sujetas a restricciones económicas a largo plazo si no se realiza un proceso de redistribución de los recursos nacionales. Esto se debe a la asociación económicamente concesiva del partido al capital internacional, profundizando el proceso de primarización de la economía uruguaya y generando restricción para políticas universalistas.

CIMINI, Fernanda; AGUIAR, I. L. M. El Giro a la Izquierda en el Uruguay de los Años 2000. Revista Brasileira de Políticas Públicas e Internacionais. , v.4, p.58 – 81, 2019.

O regionalismo na América do Sul no início do Século XXI: uma análise de suas inflexões práticas e da produção intelectual brasileira

Este artigo identifica os principais fatores que impulsionam as inflexões práticas do regionalismo na América do Sul no início deste século e discute quais são os seus principais desdobramentos e inovações em relação a períodos anteriores. Além disso, busca analisar como essa nova realidade tem afetado a produção intelectual brasileira de Relações Internacionais (RI) sobre essa temática. Como hipóteses, o artigo sustenta que as mudanças observadas no regionalismo na América do Sul decorrem de fatores sistêmicos e internos à região, que não projeta mais o seu desenvolvimento no tradicional modelo europeu de integração regional aprofundada e que há preponderância das análises temáticas que privilegiam questões políticas do regionalismo em detrimento da agenda econômica. Além de ampla revisão do contexto e das principais inflexões práticas sobre o regionalismo sul-americano, a análise da produção intelectual brasileira contou com uma amostra de mais de 60 artigos científicos, que tratam da temática.

CARVALHO, P. N.; CIMINI, Fernanda. O regionalismo na América do Sul no início do Século XXI: uma análise de suas inflexões práticas e da produção intelectual brasileira. ESTUDOS INTERNACIONAIS. Belo Horizonte, ISSN 2317-773X, v. 7, n. 3, (dez. 2019), p.82 – 102.

Apresentação do Dossiê: A Cooperação Internacional para o Desenvolvimento – debates e práticas

O presente dossiê trata de um campo fundamental na vida internacional contemporânea, a Cooperação Internacional para o Desenvolvimento (CID), abordando seus debates e práticas. Em termos históricos, esse campo começa a se delinear após a Segunda Guerra Mundial, em um contexto em que a estabilidade econômica em regiões periféricas se mesclava com preocupações de segurança e geopolítica. O processo de descolonização, intensificado nesse período, gerou novos atores estatais, fazendo multiplicar a representação e demandas relativas ao chamado Terceiro Mundo. Ao mesmo tempo em que esses países se inseriam no sistema internacional, traziam a contestação da estrutura bipolar e questionavam a condição de subdesenvolvimento. Esse foi o período da criação do Movimento dos Não-Alinhados na UNCTAD, do G-77 na Assembleia Geral da ONU, do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e da Conferência para o Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD), fortemente baseada nas teorias cepalinas de dependência. Com isso, o aparato de fomento à cooperação internacional ganha robustez, constituindo um campo de ação voltado para as novas demandas e necessidades relativas ao desenvolvimento.

GONCALVES, P. C.; CASTRO, A. C.; LEITE, I. C.; CIMINI, Fernanda Apresentação do Dossiê: A Cooperação Internacional para o Desenvolvimento ? debates e práticas. Revista Brasileira de Políticas Públicas e Internacionais. Revista Brasileira de Políticas Públicas e Internacionais. , v.3, p.i – vi, 2018.

Multilateralismo o bilateralismo: diferencias en los patrones de inserción de Argentina y Chile en el comercio internacional

El trabajo investiga si las estrategias adoptadas por Chile y Argentina cambiaron la sofisticación económica de sus exportaciones. Los principales hallazgos muestran que una mayor integración internacional no estuvo acompañada de cambios en la estructura del comercio exterior. Aunque Chile amplió su red bilateral, las exportaciones se mantuvieron concentradas en productos de baja complejidad económica. Por su parte, Argentina también mantuvo su perfil exportador de materias primas, pero aumentó la participación en sectores complejos debido a su participación en el Mercosur.

CIMINI, Fernanda; DAIBERT, L. S.Multilateralismo o bilateralismo: diferencias en los patrones de inserción de Argentina y Chile en el comercio internacional. AMÉRICA LATINA HOY. , v.78, p.127 – 147, 2018.

ENCURTANDO AS DISTÂNCIAS: O USO DA PLATAFORMA DATAVIVA PARA IDENTIFICAR OPORTUNIDADES DE SOFISTICAÇÃO ECONÔMICA EM MINAS GERAIS

O Estado de Minas Gerais, conhecido por sua riqueza em recursos minerais, apresentou, durante a última década, trajetória de concentração de sua estrutura produtiva na direção de produtos de baixa complexidade econômica. O artigo oferece uma metodologia para a identificação de setores econômicos apropriados para a sofisticação da estrutura produtiva do estado, dadas as suas vantagens comparativas atuais. Para tanto, adotou-se uma estratégia bottom-up baseada na abordagem do Product Space (DataViva): partindo da complexidade dos produtos exportados foi possível identificar segmentos econômicos com potencial para aumentar a complexidade da economia mineira sem desconsiderar as capacidades produtivas existentes. São eles: produtos biotecnológicos e produtos da indústria mecânico-elétrica.

CIMINI, Fernanda; ROCHA, Elisa M. P.; VILLEFORT, I. ENCURTANDO AS DISTÂNCIAS: O USO DA PLATAFORMA DATAVIVA PARA IDENTIFICAR OPORTUNIDADES DE SOFISTICAÇÃO ECONÔMICA EM MINAS GERAIS. REVISTA DE ECONOMIA CONTEMPORÂNEA. , v.21, p.1 – 31, 2018.

A armadilha da baixa complexidade em Minas Gerais: o desafio da sofisticação econômica em um estado exportador de commodities

Minas Gerais convive, há décadas, com o desafio da sofisticação econômica. Na tentativa de construir caminhos para a transformação de sua economia, o governo de Minas Gerais lançou a plataforma Dataviva, possibilitando a aplicação da abordagem da complexidade econômica no âmbito de políticas públicas de desenvolvimento. O artigo visa contribuir para essa reflexão, por meio da análise da complexidade econômica dos estados brasileiros no período entre 2002 e 2014, com foco em Minas Gerais. A pesquisa revela que a economia mineira está presa em uma “armadilha de baixa complexidade”, o que demanda uma intensa colaboração entre os setores público e privado para a descoberta e investimento em atividades que contribuam para a sofisticação econômica.

CIMINI, Fernanda; ROCHA, Elisa M. P.; VILLEFORT, I.; VASCONCELOS, F.
A armadilha da baixa complexidade em Minas Gerais: o desafio da sofisticação econômica em um estado exportador de commodities. REVISTA BRASILEIRA DE INOVAÇÃO. , v.17, p.33 – 62, 2017.

O big business bias e os desafios para a indústria brasileira

O artigo investiga a presença de mecanismos de favorecimento a grandes negócios (big business bias) e seu impacto no ambiente de negócios no Brasil. A partir da análise de instituições-chave na indústria brasileira, a saber, acesso à crédito, sistema de inovação e relações interfirmas, observa-se que a presença e forma de atuação de grupos econômicos não somente tornam a coordenação da atividade produtiva hierarquizada e assimétrica, como também ativam barreiras de entrada para criação de novas riquezas. O artigo conclui que os entraves para uma maior dinamização da indústria brasileira tem raízes em dinâmicas institucionais complexas, silenciadas no debate público.

CIMINI, Fernanda. O big business bias e os desafios para a indústria brasileira. TEXTOS DE ECONOMIA. , v.20, p.01 – 30, 2017

A agenda social brasileira e os desafios da desigualdade

O início da década de 2010 foi marcado por grande otimismo relativo às conquistas das políticas sociais brasileiras. A ideia de que o Brasil estaria prestes a superar o problema da pobreza ganhou força nos debates acadêmicos e nos circuitos internacionais, legitimando uma nova trajetória de desenvolvimento. Apesar desses avanços, o país mantém a posição de uma das sociedades mais desiguais do mundo. O artigo contrapõe ambas as dinâmicas – superação da pobreza e manutenção da desigualdade – a partir de uma reflexão sobre as condições objetivas e subjetivas que reproduzem essa aparente contradição no contexto brasileiro. Para tanto, o artigo se baseia na concepção de bem-estar social, tal como desenvolvido por Amartya Sen, e reconhece a importância das percepções dos brasileiros (elites e massas) para avançar uma agenda mais eficiente para combater as desigualdades.

CIMINI, Fernanda. A agenda social brasileira e os desafios da desigualdade. Revista Sinais Sociais. , v.11, p.9 – 31, 2016.

A nova face das Políticas de Desenvolvimento do Banco Mundial: do Ajuste Estrutural para a Boa Governança

he article proposes a constructivist interpretation of the changes in the World Bank’s strategy for assisting developing countries, focusing on its operations in Latin America. Specifically, the article discusses two approaches regarding the role of the state in development policies: the Structural Adjustment Loans, widely used in the 1980s and 1990s, and the Development Policy Lending (DPL), which is an innovative mechanism to support the Good Governance agenda. The article questions if the Bank is working on a new paradigm to delivery its loans or if it is a new approach to the well-known conditionalities. The main conclusion is that the new face of the Bank’s development policy is a response to the crisis of authority of the Bank to issue directive conditionalities, given the acknowledged failure of adjustment policies and the increasing demand of developing countries for greater ownership. In Latin America, the effect of this new approach has been the concentration of resources approved by the World Bank in the few countries that accept the instructions and commitments regarding Good Governance as rule of behavior prior to the negotiations of loans.

CIMINI, Fernanda. A nova face das Políticas de Desenvolvimento do Banco Mundial: do Ajuste Estrutural para a Boa Governança. Carta Internacional (USP). , v.11, p.99 – 125, 2016.

Crises as the rule or as the exception: why is capitalism still alive?

Are Financial Crises the rule or the exception in modern capitalism? Bearing the 2008 Financial Crisis in mind, this essay explores how the key paradigms in political economy conceive of the continuities and changes in capitalism in order to understand their reach and limits to explain the crisis of 2008. It compares two different theoretical perspectives contrasting how they conceptualize all the mess created by the financial system. Basically, it juxtaposes those who see economic crises as moments of exception, represented by mainstream economics, with those who see economic crises as the rule in capitalist societies, represented by the sociological approach. The paper finds the Weberian explanation the most compelling one. The implication of such assessment goes beyond the theoretical debate, giving that the way policy-makers and businessmen alike conceive of capitalist dynamics shapes their action.

CIMINI, Fernanda. Crises as the rule or as the exception: why is capitalism still alive?. International Journal of Contemporary Sociology. , v.53, p.73 – 82, 2016.

O Papel da ONU e do Banco Mundial na Consolidação do Campo Internacional de Desenvolvimento

O artigo tem por objetivo resgatar o processo histórico de construção do modus operandi das práticas de desenvolvimento, destacando o papel das organizações internacionais nesse processo e como elas mobilizavam seus recursos tangíveis e intangíveis para a conformação de uma agenda legítima de intervenção social. A análise terá como foco as dinâmicas políticas que sucederam a Comissão Pearson, conferência internacional realizada em 1969, que teve como objetivo repensar e propor diretrizes internacionais para o desenvolvimento. O ponto crítico deste momento será o reconhecimento, por parte do Banco Mundial e da ONU, de que a cooperação internacional para o desenvolvimento mobilizava diferentes projetos de coordenação societária que tinham como pano de fundo o problema da desigualdade internacional. A partir da análise dos documentos e discursos da época, é possível perceber que, embora a ONU e o Banco Mundial compartilhassem a percepção de que a ajuda internacional ainda teria um papel a cumprir, esses organismos ofereciam agendas distintas para solucionar o problema do subdesenvolvimento. Com isso, buscar-se-á identificar o projeto que sai vitorioso desse embate e nos fornece elementos para a compreensão da sobrevivência e ampliação da agenda de desenvolvimento no pós-Guerra Fria.

CIMINI, Fernanda. O Papel da ONU e do Banco Mundial na Consolidação do Campo Internacional de Desenvolvimento. Contexto Internacional (PUCRJ. Impresso). , v.37, p.347 – 373, 2015.

La capacidad de poder de los gobiernos locales en el campo del desarrollo: un análisis de la posición de Minas Gerais a partir de 2003

El artículo explora cómo los receptores de la cooperación para el desarrollo pueden disfrutar de los beneficios de los acuerdos internacionales con organizaciones internacionales y países de la OCDE. A partir de la dicotomía «donantes-beneficiarios», que ha dominado durante mucho tiempo el sistema de cooperación internacional para el desarrollo, se sostiene que cuanto mayor es el nivel de profesionalización del beneficiario, mayor será su influencia para establecer términos de cooperación de acuerdo con sus propias necesidades. El caso de Minas Gerais revela que una estrategia de desarrollo bien orientada, junto con una estructura de organización madura fueron cruciales para establecer una asociación activa tanto con el Banco Mundial como con la provincia francesa Nord-Pas de Calais.

CIMINI, Fernanda; VIEIRA, Silvia Guiomar. La capacidad de poder de los gobiernos locales en el campo del desarrollo: un análisis de la posición de Minas Gerais a partir de 2003. Apuntes, Revista de Ciencias Sociales. , v.XLI, p.169 – 195, 2014.

The BRICS Bank’s potential to challenge the field of development cooperation

The five fast-growing economies, known collectively as BRICS, have recently announced their intention to create their own development bank. The so-called BRICS Bank will be the first world multilateral development bank controlled solely by emerging economies. This paper asks whether the new bank has the potential to bypass the World Bank, destabilizing the current development finance framework. Specifically, if the BRICS Bank project succeeds, what are the possible scenarios for the field of development cooperation? To map these scenarios, we propose a typology of practices in development finance, drawing from operations of the World Bank and national development banks in Brazil and China. Assuming that the BRICS Bank is likely to adopt one of the practices currently used by Brazil or China, we speculate about the outcomes of the interaction between the BRICS Bank and the World Bank and their respective practices. Acknowledging that it is still uncertain what these outcomes will be, in part due to the uncertainties regarding how the BRICS Bank will operate, this paper provides a map of possible scenarios.

 PRADO, M. M.; CIMINI, Fernanda. The Brics Bank’s Potential to challenge the field of development cooperation. Verfassung und Recht in Ubersee. , v.2, p.147 – 197, 2014

Books/ Book chapters

América Latina: raízes de longo prazo de uma variedade de capitalismo

No marco das comemorações dos 100 anos do economista Celso Furtado, o capítulo resgata a contribuição teórica do autor sobre economia política latino-americana para compreender as raízes históricas e resiliência da armadilha da renda média na região. A análise explora o processo de fragmentação política pós-independência e o padrão de inserção internacional da região como fornecedora de recursos naturais, contrastando Estados Unidos e as ex-colônias espanholas e portuguesas. Busca-se analisar a trajetória de dependência que resultou em uma modalidade de capitalismo periférica, própria da região.

CIMINI, FERNANDA; RIBEIRO, L. C.; ALBUQUERQUE, E. M. E. América Latina: raízes de longo prazo de uma variedade de capitalismo. In: Coleção Desafios Globais.1 ed.Belo Horizonte: UFMG, 2021, v.III, p. 197-226.

Managing uncertainty with fragile institutions: comparatively assessing responses to covid-19 in Latin America

When the virus hit Latin America, the region was, in theory, in a better position to contain the spread of the virus, benefitting from the growing experience and knowledge for managing the pandemic in other parts of the world. This chapter seeks to develop a comparative analysis of the initial response by selected Latin American countries to contain the transmission of the virus.  We focus on preventive measures for “flattening the curve” because they are relatively low-cost but have a potentially big social, fiscal and economic impact. We propose a comparative framework to differentiate institutional responses according to (i) the timing of the measures; (ii) the provision and intensity of compliance mechanisms; (iii) the geographical reach (scope) of the measures and (v) the joint adoption of complementary measures to mitigate some of the pandemic’s economic and social impacts. 

CIMINI, Fernanda; ZAPATA, G.; JULIÃO, NAYARA ABREU; SOUZA, A.; CABRAL, N.
Managing uncertainty with fragile institutions: comparatively assessing responses to covid-19 in Latin America In: Governos e enfrentamento da covid-19/.1 ed.Maceio: EDUFAL, 2020, p. 80-.

Convergência e Divergência Institucional no Policy Making Europeu In: Uma introdução à União Europeia: história, política e economia

Um dos debates centrais aos estudos de globalização e regionalismo diz respeito às mudanças institucionais provocadas por esses processos. Por um lado, argumenta-se que o aumento da integração regional contribui para a convergência institucional, reduzindo as diferenças culturais, sociais e políticas entres os países.  Por outro lado, estudos tem demonstrado a capacidade de resiliência das instituições domésticas, conformando um quadro de variedades institucionais. O artigo apresenta o estado da arte do debate sobre convergência e variedade institucional na União Europeia, delimitando conceitos centrais.

CIMINI, Fernanda. Convergência e Divergência Institucional no Policy Making Europeu In: Cunha, A. Uma introdução à União Europeia: história, política e economia. 1 ed. Belo Horizonte: Fino Traço, 2019, v.1, p. 131-166

Livro Elites empresariais, estado e mercado na América Latina

A forma como as elites empresariais latino-americanas interagem com os diversos atores estatais e do sistema político revelam muito das estratégias de desenvolvimento seguidas pelos países da região. As conexões políticas do empresariado nacional, moldadas por instituições formais e informais ao logo de trajetórias históricas, tem configurado diferentes arranjos de economia política na América Latina. O livro, organizado pelos pesquisadores Fernanda Cimini, Juan Bachiller e Roberta Rodrigues, reúne contribuições inéditas de especialistas latino-americanos que analisam a trajetória de um país ou de um grupo de países da região, abordando de forma comparada as várias formas de conexão entre elites empresariais, estado e mercado na América Latina.

CIMINI, F.; CABRIA, J. V. B. (Org.) ; SILVA, R. R. M. (Org.) . Elites Empresariais, Estado e Mercado na América Latina. 42. ed. Belo Horizonte: Cedeplar, 2018. 248p .

Introdução: políticas para a promoção do desenvolvimento e a estrutura do livro

Além de apresentar a estrutura do livro, o capítulo apresenta o estado do arte dos debates sobre desenvolvimento como processo multidimensional, a teorização do desenvolvimento econômico e os desafios para a transformação econômica e políticas econômicas e industriais ao alcance dos governos subnacionais, com proposição de novas práticas de promoção do desenvolvimento a partir do âmbito local.

GUIMARAES, A. Q. ; CIMINI, F . Introdução: políticas para a promoção do desenvolvimento e a estrutura do livro. In: Alexandre Queiroz Guimarães. (Org.). Ideias em desenvolvimento: políticas para a promoção do avanço econômico em Minas Gerais. 1ed.: Fundação João Pinheiro, 2014, v. I, p. 20-46.Books/ Book chapters

Other publications (working papers, technical reports, etc…)

Guia Metodológico “Formação de equipes extraordinárias para missões de desenvolvimento tecnológico”

Acesse agora o Guia Metodológico “Formação de equipes extraordinárias para missões de desenvolvimento tecnológico”, que apresenta um arcabouço para a formação de melhores equipes em missões tecnológicas do Centro de Orquestração de Inovações/COI (e do público geral interessado), orientado por reflexões a respeito da necessidade de reunir excelência científica, diversidade e conectividade. O Guia foi desenvolvido pelo Cedeplar/UFMG em parceria com o COI/WTT. Com a complexidade do nosso mundo atual, quanto mais diversa for a combinação de perfis em um grupo científico maior será a combinação de conhecimento e experiência. Consequentemente, quanto mais homogêneo um grupo mais limitado e menos inovador ele é. Como ativamente construir diversidade na ciência? O guia oferece um conjunto de 26 indicadores que permitem mapear pesquisadores(as) conforme as dimensões de interesse. Com o cruzamento dessas dimensões, gestores(as) de missões tecnológicas podem construir diferentes listas de potenciais nomes para suas equipes.

Formação de equipes extraordinárias para missões de desenvolvimento tecnológico: Guia Metodológico / Fernanda Cimini, Tulio Chiarini, Leonardo Costa Ribeiro, Carla Pereira Silva, Leandro Alves Silva.Belo Horizonte, 2021

Análise das primeiras respostas políticas do Governo Brasileiro para o enfrentamento da COVID-19 disponíveis no Repositório Global Polimap

O estudo é resultado do primeiro levantamento das respostas políticas do Governo Brasileiro para o enfrentamento do coronavírus a partir dos dados disponíveis no Repositório Global de Respostas Políticas para o enfrentamento da COVID-19 – Polimap. Foram mapeadas 200 medidas implementadas pelo Governo Federal entre 31 de dezembro de 2019 e 15 de abril de 2020. O estudo conclui que o elevado número de políticas (Leis, MPs, Portarias, etc) não se traduz em intensidade, abrangência e convergência das respostas. Destacam-se como principais desafios: (i) ausência de uma política nacional coordenada para contenção da transmissão do vírus; (ii)  desalinhamento entre as medidas para aumento da capacidade de atendimento e as políticas para achatamento da curva; (iii) priorização da austeridade econômica sobre a mitigação social, com atraso e insuficiência nas respostas para a proteção da segurança financeira das famílias e (iv) dinâmica de governança  marcada não somente por conflitos dentro do Executivo e entre governo federal, autoridades estaduais e municipais, mas também pela falta de diálogo com sociedade civil e empresariado na tomada de decisão e monitoramento das ações.

CIMINI, Fernanda; JULIAO, N. A.; SOUZA, A.; FERREIRA, J. V. S.; FIGUEIREDO, G. R.; GARCIA, L. F. G.; HARGREAVES, R. T.; BAGGGIA, F. Análise das primeiras respostas políticas do Governo Brasileiro para o enfrentamento da COVID-19 disponíveis no Repositório Global Polimap. Nota Técnica Cedeplar, 2020.

The low-complexity trap in Minas Gerais: a comparison with the other Brazilian States using DataViva

Minas Gerais State coexists, for decades, with the challenge of economic diversification. In the attempt to build paths to transform its economy, Minas Gerais Government released the DataViva platform, allowing the application of economic complexity approach in the developmental public policies scope. This work aims at contributing for this study through economic complexity of the Brazilian States analysis between 2002 and 2014, focusing on Minas Gerais. The research reveals that Minas Gerais economy is stuck in a “low-complexity trap” that demands an intense collaboration between public and private sectors to identify and invest in activities that can contribute for economic sophistication.

CIMINI, Fernanda; ROCHA, Elisa M. P.; VILLEFORT, I.; VASCONCELOS, F. The low-complexity trap in Minas Gerais: a comparison with the other Brazilian States using DataViva platform. Texto de Discussão. , 2017.

Strengthening Business Groups and State Intervention: the Newdevelopmentalism in Brazil

he paper addresses the interaction between business groups and state intervention in Brazil under the New Developmentalism, inquiring to what extent the new role played by the state in the hallmark of the “new developmentalism agenda” is complementary to the strategy and practices adopted by Brazilian business groups. The paper suggests that the concentration of governance control in the hands of a tiny elite pushes for champion-promoting strategies, generating a complementarity between the institutional domain of corporate governance and the industrial policies promoted by the state. The unforeseen consequence of these “on-the-ground” strategies is that, in Brazil, hierarchical capitalism and state developmentalism are mutually reinforcing each other.

CIMINI, Fernanda Strengthening business groups and state intervention: the new developmentalism in Brazil. Texto de Discussão. Belo Horizonte:CEDEPLAR/UFMG, 2017.